Uberlândia participa da Semana Mundial de Combate e Prevenção da Hanseníase

A hanseníase é um problema de saúde pública que exige vigilância em todos os níveis de atenção. Por isso, a partir da próxima segunda-feira (23), acontece a Semana Mundial de Combate e Prevenção da Hanseníase. Para intensificar a divulgação dos sinais e sintomas da doença, a Secretaria Municipal de Saúde de Uberlândia, por meio da Vigilância Epidemiológica, realizará ações especiais em diversos pontos do município.

Quem passar pelo Parque do Sabiá, Terminal Rodoviário ou pelas unidades de saúde da cidade receberá panfletos educativos e orientações relativas à hanseníase. As ações serão realizadas em parceria com o CREDESH (Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária e Hanseníase), MORHAN (Movimento de Reintegração da Pessoa Atingida pela Hanseníase) e a CBA (Casa das Bem Aventuranças).

De acordo com a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Elaíze Maria Gomes de Paula, o evento é um alerta para a população. “Queremos lembrar sobre a importância do diagnóstico precoce e os perigos da hanseníase. A doença pode ser confundida com outras enfermidades, devido aos sintomas, então, é um alerta para que as pessoas prestem atenção e procurem as unidades de saúde em caso de suspeita”, explicou.

Sobre a doença
A hanseníase é causada por um parasita (Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen) que ataca a pele e os nervos em volta da área afetada. É infecto-contagiosa e se manifesta principalmente por meio de lesões na face, mãos, braços, pernas, costas e pés. Dor, sensibilidade, aparecimento de manchas brancas e vermelhas, dormência e perda de força nos músculos são alguns dos seus principais sintomas.

Ainda que o tempo de multiplicação do bacilo seja lento (em média de 11 a 16 dias), o parasita pode permanecer no organismo humano de 2 a 7 anos. É transmitido de uma pessoa por via respiratória (espirro e tosse), especialmente por meio do convívio íntimo e prolongado.

O diagnóstico precoce da hanseníase e o seu tratamento adequado evitam a evolução da doença. Se não tratada, a enfermidade pode provocar incapacidades físicas que podem evoluir para deformidades nos pés, olhos e mãos. O tratamento é gratuito e está disponível nas unidades do Sistema Único de Saúde (SUS).

Programação
23/01/2017 – Abertura
Local: Parque Sabiá
Horário: 18h
Atividade: Distribuição de cartilhas e folders

24/01/2017
Local:  Terminal Rodoviário
Horário: 8h às 12h e 13h 17h
Atividades: Informação sobre a hanseníase, exposição de fotos, roda de conversa e apresentação musical e teatral.

25/01/2017
Local: Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) – Oeste, Central e Norte
Horário: 7h às 11h e 13h às 17h
Atividades: Informação sobre hanseníase e apresentação musical e teatral.

26/01/2017
Local: Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) – Leste e Sul
Horário: 7h às 11h e 13h às 17h
Atividades: Informação sobre hanseníase e apresentação musical e teatral.

27/01/2017 – Encerramento
Local: Centro Administrativo (Saguão)
Horário: 13h às 17h
Atividades: Informação sobre hanseníase, apresentação musical e teatral e roda de dança.

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page