Teste do pezinho confere proteção a bebês e tranquilidade aos pais

Lançada há exatamente 17 anos, a determinação que estabeleceu o Teste do Pezinho conferiu uma nova realidade no que diz respeito à atenção à saúde da criança. Em Uberlândia, a cada dia que passa, o atendimento ganha novas proporções e confere proteção aos bebês, tranquilidade aos pais e muito mais qualidade de vida aos pequenos cidadãos. No dia em que se comemora o lançamento do Programa Nacional de Triagem Neonatal (6), portaria responsável pela instituição do exame gratuito em todo país, o Município aponta os resultados positivos obtidos desde então.

Para se ter ideia da dimensão e importância da ação, dos 9.633 nascidos vivos residentes em Uberlândia em 2017, 6.242 receberam testes do pezinho pela rede pública de Saúde. Após a coleta das amostras, foram identificadas 151 alterações nos exames de triagem natal, o que fez com que fosse iniciado o acompanhamento ambulatorial junto às famílias. Um trabalho que faz diferença por permitir o diagnóstico precoce de enfermidades (infecciosas, metabólicas, genéticas e/ou congênitas) para oferecer tratamento a tempo, antes que possam afetar o desenvolvimento do bebê.

Ao todo, mais de 20 Unidades Básicas de Saúde da Família (UBSFs) e dezenas de unidades de referência realizam o procedimento gratuito. Unidades de Atendimento Integrado (UAIs) dos bairros Luizote, Martins, Morumbi, Pampulha, Planalto, Roosevelt e Tibery fazem o teste.

Como funciona

Realizado do terceiro ao quinto dia de vida, o teste foi criado para monitorar a saúde dos recém-nascidos. Para isso, basta uma simples gotinha de sangue retirada do calcanhar do bebê e esperar o resultado, a ser definido em até sete dias. O procedimento é de extrema importância, uma vez que permite identificar o risco de seis doenças raras e que podem demorar muito tempo para apresentar sintomas, como é o caso do hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria, doença falciforme, fibrose cística, deficiência de biotinidase e hiperplasia adrenal congênita.

Gotinha que salva vidas

Elisiane Isaac Curi é referência técnica no programa de triagem neonatal em Uberlândia, o qual integra a Rede de Atenção à Saúde da Criança e do Adolescente. Segundo ela, todo o atendimento é feito mediante as normativas do centro de referência estadual, no Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico (Nupad), da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

“Nossa preocupação é revelar esse diagnóstico o quanto antes para iniciar o tratamento precoce e evitar que a saúde da criança seja comprometida. A triagem neonatal é oferecida totalmente gratuita à população e fazemos a busca ativa de cada criança. A execução técnica é feita no Nupad, que é a nossa referência”, afirmou.

Atenção às famílias

O atendimento inicia ainda no pré-natal, com a rede de Atenção Primária. Cada equipe das UBSFs recebe um protocolo de cuidados, onde as mulheres são acompanhadas e orientadas pelos profissionais. O serviço também se estende ao pós-parto. No momento em que a mãe e a criança recebem alta, já pode ser agendada uma consulta com data e o local onde será realizado o teste do pezinho.

Foi o caso de Elyza Fagundes. Grávida de 39 semanas do segundo filho, ela destacou o acompanhamento recebido no Hospital e Maternidade Municipal Dr. Odelmo Leão Carneiro e na UAI Pampulha, onde seu filho realizou o teste do pezinho.

“Recebemos o acompanhamento todos os meses até o João completar um ano de vida. O atendimento foi sempre excelente, dentro do prazo e agradeço muito a todos que trabalham na rede. Agora, a Catarina está para nascer e pretendo contar com a rede pública novamente, porque sei que esse cuidado é algo fundamental. O teste me deixou mais tranquila, segura em relação à saúde do meu filho”, destacou.

Saiba mais sobre as doenças que podem ser detectadas:
– Deficiência de biotinidase: impede que o organismo aproveite a vitamina biotina, presente nos alimentos, interferindo no desenvolvimento intelectual;
– Doença falciforme: provocada por uma alteração na estrutura da molécula de hemoglobina, comprometendo o transporte de oxigênio;
– Hipotireodismo congênito: ocorre pela falta ou insuficiência de hormônios da tireóide essenciais para o desenvolvimento neurológico;
– Hiperplasia adrenal congênita: prejudica o funcionamento das glândulas adrenais, influenciando na perda de sal e no desenvolvimento sexual.
– Fenilcetonúria: causada pela ausência ou diminuição da atividade de uma enzima que quebra a fenilalanina em tirosina, que pode comprometer a capacidade intelectual;
– Fibrose Cística: provoca secreções pulmonares e deficiência na absorção intestinal, atingindo os pulmões, pâncreas e o sistema digestivo

SECOM

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page