Investimento de R$1,5milhão em passarela não atende às expectativas

A passarela para pedestres da avenida João Naves de Ávila é alvo de críticas dos cidadãos uberlandenses. Segundo observação feita no local, menos de 5% das pessoas que precisaram atravessar a rua fizeram uso da construção.

Entregue em dezembro de 2012 com o custo final de R$1,5 milhão, a obra não conseguiu atender as necessidades da população. De acordo com o Secretário Municipal de Trânsito e Transporte, Alexandre Andrade, o valor para readequar o local com as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é maior que o de construção, o que dificulta as reformas.

Planejada para aliviar o fluxo de automóveis e aumentar a segurança dos pedestres no local, nenhum dos objetivos foi concretizado. O semáforo que ali funcionava se manteve devido à falta de acessibilidade da passarela, fazendo com que os carros continuem congestionados na avenida, principalmente nos horários de pico, enquanto os pedestres preferem esperar o fechamento do sinal para atravessar pela faixa. “A construção não conta com rampas de acesso para pessoas com deficiências, e o elevador encontra-se inutilizável. Falta também informações em braile para portadores de deficiência visual.”, informou o secretário.

Além das escadas, de quase seis metros de altura, que ficam extremamente escorregadias em dias de chuva, devido à falta de cobertura, outros fatores fazem com que a população não tome gosto pela obra. “A estrutura em si não oferece nenhum conforto para quem a utiliza, os corredores são extremamente estreitos, dificultando a passagem de muitas pessoas simultaneamente, além de reclamações quanto ao mau cheiro do lugar.”, disse Alexandre.

Segundo o secretário, nenhuma das empresas procuradas pela prefeitura demonstrou interesse em fazer a manutenção da passarela. Com quase três anos da inauguração do local, a população uberlandense realmente não demonstra interesse em fazer uso da obra sem que antes aconteça alguma reforma.

Foto: Secom

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page