Obras trazem melhorias aos moradores das regiões Leste e Oeste

Evoluindo de acordo com o planejado pela Prefeitura de Uberlândia, as obras de infraestrutura de transporte, pluviais e de abastecimento de água modificam a paisagem da cidade e trazem mais esperança e melhorias aos moradores das regiões Leste e Oeste.

Nas obras de construção do corredor de ônibus da avenida Segismundo Pereira já é possível observar as construções das bases das primeiras estações. No terminal Novo Mundo, alicerces do que será em um futuro próximo as salas administrativas e as plataformas, já estão sendo concluídos. Cerca de 90 funcionários estão empenhados nos trabalhos.

Ainda na região Leste, as obras pluviais do Complexo Integração avançam à medida que as vias são preparadas para receberem o asfalto, tão esperado pelo pedreiro Everaldo Roberto Bessa, 55 anos, que mora no local há cerca de 20. Na casa onde reside com a esposa, no bairro Prosperidade, ele criou os filhos e agora vê os netos crescerem. Para ele, só de ver as máquinas trabalhando já é um alívio. “Para nós aqui é muito bom porque esperamos muito tempo por esse asfalto”, disse.

O prefeito de Uberlândia, Gilmar Machado, e o secretário de Obras, Fernando Nascimento, acompanharam de perto os trabalhos, conhecendo a realidade da população e ouvindo opiniões.

Na região Oeste, os gestores visitaram as obras do Parque da Longevidade que levará mais lazer aos moradores do bairro São Lucas e proximidades e, principalmente, protegerá as margens do córrego do Óleo. No espaço, acessível e planejado, haverá equipamentos esportivos e o cuidado da saúde na terceira idade.

Ainda na região, o Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae) está com obras em andamento no bairro Santo Antônio. No local, o Dmae está construindo um reservatório suficiente para armazenar 5.620 m³ de água potável.

O reservatório faz parte de um conjunto de obras que abastecerão os residenciais Hebrom e Piquis, além do bairro Morada Nova, que já está recebendo as redes pluviais. Morador do bairro há 30 anos, Sebastião Ciro da Costa afirmou que ainda utiliza fossa negra, o que causa mau cheiro e muitos insetos. Ele diz viver um sonho após muitos anos. “Ficou mais que mil por cento. Só de ver a obra começando dá uma expectativa boa. Até a saúde melhora”.

Secom

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *