O modesto PIB – Economia com Benito Salomão

O IBGE divulgou na última quinta-feira, 01, o resultado das contas nacionais do 1° trimestre deste ano que trouxeram os seguintes resultados: 1) crescimento econômico de 1% na comparação com o 4° trimestre de 2016, 2) queda acumulada da atividade nos últimos 12 meses da ordem de 2,3% e, 3) queda de 0,4% na comparação com o 1° trimestre de 2016. Este resultado nos induz a avaliação que, o país ainda está em recessão, embora em menor tamanho em relação ao ano passado e isto deve ser constatado pela comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, que fornece os seguintes números.

Pelo lado da demanda, houve queda em praticamente todos os itens, sendo a mais significativa protagonizada pela formação bruta de capital fixo (FBKF) que retraiu 3,7%, seguido pela queda no consumo das famílias da ordem de 1,9% e pelo gasto público com queda de 1,7%, houve alta exclusivamente das exportações cujo crescimento foi de 1,9%. Já pelo lado da oferta, o crescimento de 15,2% do setor agrícola e de 9,7% da indústria extrativa, não foram suficientes para evitar o resultado negativo do PIB, influenciado pela queda no comércio varejista de 2,5%, pela indústria de transformação caindo 1%, e pela indústria da construção civil que caiu 6,3%.

Estes números sugerem algumas reflexões: 1) dado que os resultados do 1° trimestre não contemplam a deterioração das expectativas em relação a aprovação das reformas, é bom provável que o resultado dos demais trimestres sejam contaminados pelo pessimismo natural após a delação dos donos da JBS, 2) Ainda que não houvesse a referida relação, não é razoável que o crescimento do setor agrícola se desse na casa dos 15% ao longo de todo o ano. Estes dois fatores indicam que os resultados dos próximos trimestres devem vir piores. 3) Os impactos deste resultado sobre o mercado de trabalho serão indesejáveis, isto por que os setores com desempenho positivo são, em geral, setores intensivos em capital, e cuja produtividade e avanço tecnológico, dependem de pouca mão de obra. Enquanto isso, os setores intensivos em trabalho, como construção e comércio, amargam grandes resultados negativos, o que significa que o desemprego deve continuar crescendo.

Uma questão adicional deve ser levada em conta, a queda dos investimentos pautada principalmente pela retração na compra de bens de capital, ou seja, máquinas e equipamentos cuja queda foi de 4,9%, necessárias para modernização do parque produtivo nacional. Isto reflete ainda os problemas de caixa pelos quais passam as empresas brasileiras, altamente endividadas, mas também a elevada capacidade ociosa na indústria, na ordem de 36,6% segundo a CNI, além da escassez de vendas expressas no acúmulo de estoques em níveis acima do planejado. Níveis elevados de ociosidade, são responsáveis por postergar as decisões de investimentos, sem as quais não há crescimento do produto e do emprego.

Finalmente, as decisões de investimento são contaminadas por uma crise política que parece não ter fim, as incertezas vindas da permanência ou não do presidente Temer, e se quem suceder tem uma visão correta da agenda que precisa ser tocada adiante, são fatores que desanimam os investidores, a insegurança jurídica criada pela tentativa de solapamento das instituições durante os anos do PT, também contribuem para este cenário. Os próximos meses são cruciais para a economia brasileira, pois os movimentos feitos neste período, vão apontar se caminhamos para a modernidade e civilidade, ou se retrocederemos para o populismo rastaquera que nos deixou mais pobres.

Benito Salomão
Bacharel e mestre em economia – www.benitosalomao.com.br

 

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page