Mesmo com alertas, jovens ainda abusam do consumo de proteínas

Os alertas dados por especialistas sobre como chegar ao corpo perfeito sem problemas à saúde não parecem estar surtindo efeito. Nos últimos dois anos, médicos têm relatado grande procura, nos consultórios, de pessoas jovens, por volta dos 30 anos, com lesões renais devido ao consumo indiscriminado de suplementos alimentares. A média, em alguns consultórios, chega a dois pacientes por semana.

O problema é que o consumo de suplementos à base de proteína leva à sobrecarga dos rins, que acabam trabalhando demais, sem necessidade. Para os especialistas, o consumo diário deve ser de 1 g de proteína a cada quilo que a pessoa tenha.

Os efeitos dessa sobrecarga nos rins podem ser sérios, alerta a nefrologista Carmen Tzanno, presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia. “Esse excesso de trabalho renal vai desgastando os rins. Isso pode levar ao ponto de pessoas novas apresentarem função renal compatível com a de idosos, uma vez que o desgaste é algo natural com o tempo”, explica Carmen.
Ela conta que chega a receber dois pacientes por semana no consultório devido a problemas renais com origem proteica.

Outra médica que endossa esse número é a endocrinologista Ana Paula Zanini, professora da Faculdade Ipemed. “São jovens, na maioria homens, beirando os 30 anos. Eles consomem tanto suplemento que a função de seus rins se equipara à de alguém com o dobro da idade”, compara.
De acordo com as duas médicas, o consumo é algo que precisa de acompanhamento profissional. “Não é proibido consumir. O problema está na ingestão descontrolada e sem orientação médica”, aponta Carmen Tzanno.

O propagandista Luiz Felipe Bernardes, 33, sofreu isso na pele. Ele sempre usou suplementos sem orientação até ter, há um mês, o diagnóstico de sobrecarga renal. “Malho há oito anos e levei um grande susto. Hoje faço dieta com proteína encontrada em alimentos naturais. Não quero mais suplementos na vida”, afirma Luiz Felipe.

PESQUISA

Suplemento pode estar ligado a câncer

Uma pesquisa publicada no “British Journal of Cancer” está ligando o uso de suplementação com o risco de câncer nos testículos. Os pesquisadores da Universidade Yale, nos EUA, calcularam a probabilidade de chances para a incidência de câncer testicular. Foram feitas entrevistas 900 homens norte-americanos. Os pesquisadores descobriram que os homens que usaram suplementos tinha um relação de probabilidade de 1,65 (um risco 65% maior) de desenvolver câncer testicular em comparação com os homens que não usaram suplementos.
 Apesar disso, novos estudos epidemiológicos devem ser feitos para estabelecer a ligação mais direta, clara e evidente entre o consumo de suplementos e o câncer testicular.
otempo
Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page