Grande cratera surge entre os municípios de Coromandel e Vazante

Uma grande cratera foi localizada em uma propriedade rural entre os municípios de Coromandel e Vazante. As imagens foram divulgadas nas redes sociais nesta segunda-feira (13/11), porém não é possível determinar com precisão a data de surgimento do buraco.

O local fica próximo ao Rio Paranaíba. O buraco pode se tratar de uma dolina que são comuns no município de Vazante. Alguns moradores afirmam que uma mineradora esteja provocando as anomalias, porém nada foi comprovado até o momento.

A Polícia Militar não registrou nenhuma ocorrência a respeito desta cratera.

Sobre as Dolinas

Recebe o nome de dolina (também conhecida popularmente como sumidouro) a depressão circular que ocorre em relevo cárstico e que se forma a partir da depressão de solo e rochas do teto de uma caverna por meio de uma drenagem subterrânea. Termo de origem eslovena que significa “pequeno vale”, a união de duas ou mais dolinas recebe o nome de uvala. Cientificamente, tal ocorrência recebe o nome de exocarste.

 O diâmetro e profundidade de uma dolina pode variar de poucos metros a dezenas. Geralmente encontrada na natureza derivada de um fenômeno natural, a dolina pode ser induzida artificialmente pela exploração em excesso da água subterrânea por onde se dá sua drenagem numa caverna. Em geral é no fundo de uma dolina que surge a água subterrânea e seu nível é reflexo do nível do sistema geral,podendo subir ou abaixar de acordo com as estações do ano.Entende-se por relevo cárstico aquele dotado de rochas carbonáticas, como mármores, calcáreos e similares, fáceis de serem trabalhadas e bastante utilizadas na área da construção civil.

As formas mais comuns deste fenômeno são:

  • Dolina de dissolução: É o tipo mais comum deste exocarste. O material dissolvido, assim como restos insolúveis, são infiltrados através da fratura.
  • Dolina de colapso: É causada pelo desabamento do teto de uma caverna.
  • Dolina aluvial: Ocorre quando há coberturas de solo sendo introduzidas nas fraturas do calcário. Esta é diferente da dolina de dissolução pelo fato de que o rebaixamento do piso se dá por carreamento do solo e não por dissolução da rocha no piso inferior.
  • Dolina de colapso devido a carste subjacente: Difere-se da dolina de colapso pelo fato de que a camada de rochas carbonáticas que entra em colapso se encontra subjacente a uma camada de outra litologia que também entra em colapso.

O lançamento de lixo e esgoto em uma dolina polui de forma muito agressiva o aquífero local, que é um dos mais sensíveis ao dano ambiental porque o fluxo subterrâneo de água é muito rápido, devido à alta permeabilidade do conjunto cárstico.

A exploração da água subterrânea pode levar a um rebaixamento excessivo do nível hidrostático, levando a colapsos na superfície. No entanto, antes do colapso o rebaixamento do solo pode ocorrer. Ocorrendo o colapso em áreas habitadas, o fenômeno se transforma em catástrofe, com potencial letal e de perdas econômicas. Muitas localidades brasileiras tem sofrido com este fenômeno, como Cajamar em São Paulo, Matozinhos em Minas Gerais e a região do Vale do Rio Una na Bahia.

Em Nova Redenção, estado da Bahia, na região da Chapada de Diamantina, uma dolina funcionou como armadilha para mamíferos que ali viviam há cerca de 11 000 anos. Em 1995 foram encontrados ossos fossilizados, entre os quais um esqueleto completo de uma preguiça terrícola da espécie Eremotherium laurillardi.

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page