Eduardo Azeredo se entrega à Polícia Civil e é levado à delegacia

Após intensa negociação entre a defesa e autoridades, o ex-governador de Minas Eduardo Azeredo se entregou à Polícia Civil na tarde desta quarta-feira (23).

Condenado a 20 anos e um mês de prisão em regime fechado, Azeredo se apresentou, acompanhado de seu filho, às 14h45 na 1ª Delegacia Distrital, no bairro Santo Antônio, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde permaneceu por cerca de uma hora e meia para cumprimento dos trâmites legais.

De lá, Azeredo seguiu em uma viatura para o Instituto Médico Legal (IML), no bairro Gameleira, região Oeste da capital. O ex-governador levou apenas seis minutos para realizar o exame, antes de seguir para uma unidade do Corpo de Bombeiros.

A prisão

Fontes da Polícia Civil informaram a O TEMPO que o ex-governador cumprirá a pena por peculato e lavagem de dinheiro no 2º Batalhão do Corpo de Bombeiros de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Azeredo deve dividir a cela com um cabo. O local, segundo as fontes, era um antigo alojamento, que posteriormente foi transformado em cela para que militares condenados pudessem cumprir pena. Além da cama de ferro, na cela há uma janela com grades, uma pia e um vaso sanitário.

Na manhã desta quarta-feira (23), inclusive, o local já estava sendo preparado para receber o tucano. A cela fica em um corredor onde bombeiros e pessoas que visitam o batalhão podem transitar normalmente.

Com isso, é possível ver movimentos na cela. Para evitar curiosos, a área de isolamento nesse corredor foi ampliada com tapumes, que foram usados como divisórias.

Mandado

A Polícia Civil recebeu o mandado de prisão de Azeredo na tarde de terça-feira (22), após esgotadas as possibilidades de recurso relativos à condenação no caso do mensalão mineiro ou mensalão tucano.

Por unanimidade, desembargadores da 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais rejeitaram os embargos declaratórios, que eram a última possibilidade de recurso de Eduardo Azeredo nessa esfera. Na tarde desta quarta-feira, o habeas corpus apresentado pelo advogado Castellar Guimarães Neto, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), também foi negado.

A prisão

O ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB) deverá ficar preso em unidade militar de Belo Horizonte, preferencialmente do Corpo de Bombeiros, em vez uma das unidades do sistema prisional.

Além disso, o tucano não precisará usar os uniformes vermelhos característicos da Secretaria de Administração Prisional e será dispensado do uso de algemas. A decisão é do juiz Luiz Carlos Rezende e Santos.

No ofício, o magistrado afirma que Azeredo possui status de ex-governador de Estado e que tem prerrogativa de se manter em uma unidade especial, além de reclamar segurança individualizada.

O juiz determinou ainda que Azeredo poderá levar suas próprias roupas, vestuário para banho e cama “mínimos para sua dignidade”. O uso de algemas só pode ser feito devidamente justificado em “situações excepcionalíssimas”.

Menos fluxo de pessoas

A opção por uma unidade dos bombeiros é justificada pelo menor fluxo de pessoas, “o que notadamente permitirá maior segurança ao sentenciado”, diz o juiz.

Além do mais, o governo deverá disponibilizar agentes penitenciários para acompanhar o ex-governador no cárcere.

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page