Dólar atinge R$ 4,17 após Banco Central manter taxa de juros

O dólar abriu as negociações em alta ante o real nesta quinta-feira (21), após o Banco Central manter a taxa Selic e em meio ao ambiente de aversão a risco no exterior causado pelas incertezas em relação ao petróleo.

O dólar à vista, referência do mercado financeiro, chegou a R$ 4,172 por volta das 9h, enquanto o comercial, utilizado no comércio exterior, bateu R$ 4,174.

Às 10h30 (de Brasília), o dólar à vista subia 0,88%, para R$ 4,158, enquanto o comercial avançava 1,38%, para R$ 4,161.

Na quarta (20), a moeda americana se valorizou mais de 1% ante o real e chegou a R$ 4,10 -pela primeira vez desde setembro do ano passado.

O BC manteve a taxa básica de juros (Selic) em 14,25% na noite de quarta (20), decisão que foi considerada uma mudança na rota da política econômica do governo.

A leitura corrente é que a principal preocupação do Banco Central deixou de ser as expectativas de inflação em 2016 e 2017 para o desempenho da atividade econômica.

Com a decisão, os economistas que até, a semana passada viam a possibilidade de até três altas de 0,5 ponto nos juros, agora acreditam que as taxas ficarão inalteradas ao longo de 2016.

Somada a surpresa do mercado, a queda nos preços do petróleo continua a assombrar os mercados, aumentando a corrida ao dólar, que se valoriza ante alguma das principais moedas de emergentes.

O preço da commodity vem caindo consideravelmente desde que a Arábia Saudita e seus aliados do Golfo lideraram uma mudança na política da Opep em 2014 para defender participação de mercado contra os produtores que tem custos maiores, ao invés de cortar a oferta para sustentar os preços.

BOLSA

O principal índice acionário do país operava praticamente estável logo após a abertura do pregão desta quinta-feira (21), em mais um dia de recuo dos preços de commodities e fraqueza nas bolsas externas, com investidores também repercutindo a decisão do BC acerca da Selic.
Às 10h35 (de Brasília), o Ibovespa subia 0,11%, aos 37.686 pontos.

As ações da Petrobras, que amargaram mais um dia de queda na quarta (20), têm alta no início do pregão desta quinta.

Os papéis preferenciais, mais negociados e sem direito a voto, sobem 2,25%, a R$ 4,53, enquanto que as ações ordinárias, com direito a voto, se valorizam em 2,19%, a R$ 6,06.

 FolhaPress
Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *