Cuidado ao ignorar sintomas do refluxo

Médica alerta sobre necessidade de buscar tratamento correto com especialista e evitar evolução para doença grave

Dor na parte superior do abdômen, na garganta ou no peito; tosse seca ou crônica depois de comer, ou ao deitar. Arroto, azia, indigestão, náusea, regurgitação, vômito, mau hálito e flatulência. Esses são os principais indícios de uma pessoa que sofre com refluxo. Muitas vezes o problema é ignorado, mesmo que recorrente. Porém, é preciso ligar um sinal de alerta para a possibilidade desse mal estar ser a Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE).

Dra. Abadia Gilda Buso Matoso
Dra. Abadia Gilda Buso Matoso

“É uma forma crônica ou de longa duração do refluxo, que pode ocasionar problemas mais sérios de saúde. Nesse caso, é preciso procurar um médico gastroenterologista, especialista em doenças do aparelho digestivo, para avaliar a situação”, diz a especialista Abadia Gilda Buso Matoso, ao explicar que a maioria das pessoas nem sempre sabem que tem refluxo, algo que muitos já sentiram em algum momento da vida.

Ela explica que o chamado refluxo gastroesofágico (RGE) ocorre quando a válvula que separa o esôfago do estômago (esfíncter) se abre em momentos em que deveria permanecer fechada. Pode-se dizer que a doença do refluxo gastroesofágico é uma doença do esfíncter. Indivíduos normais podem ter alguns refluxos ao longo do dia sem que isso signifique doença, o excesso desses refluxos é que caracteriza a doença do refluxo.

“É muito importante observar nosso organismo e perceber quando um sintoma, que pode parecer simples e corriqueiro, como a azia, se torna mais frequente”, enfatiza. “O tratamento, dependendo da gravidade dos sintomas, pode incluir alterações no estilo de vida, medicamentos ou até cirurgia. Manter uma boa alimentação e consultas regulares ao médico são fundamentais”, diz Abadia.

A maioria das pessoas não recorre a um tratamento para mitigar a azia e a má digestão pelo fato desses sintomas estarem relacionados à alimentação. Há uma falsa interpretação de que o desconforto passará sozinho com o tempo, não causando prejuízos maiores ao organismo. A especialista explica que essa é uma leitura equivocada.

“A azia ocorre pelo refluxo do ácido presente no estômago e este composto químico é extremamente danoso ao esôfago. Quando não tratadas, a azia e a má digestão podem acarretar problemas maiores, o que afeta a qualidade de vida e perturba o sono”, alerta a médica. “Não enxergar esses dois sintomas como algo grave é um grande erro”, finaliza.

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page

1 comentário


  • 2 de junho de 2017 a 19:45

    Excelente informações … estarei mais atenta ao habitos … estas dicas são preciosas para nós que sofremos com a azia e queimação. Obrigado por compartilhar!!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *