Casal finge ser da zoonoses para furtar R$ 3.000 de idosa

A Polícia Militar (PM) de Uberara, no Triângulo Mineiro, procura por um casal que se passou por agentes da zoonoses da prefeitura para furtar R$ 3.000 de uma idosa, de 89 anos. O crime foi registrado na tarde dessa segunda-feira  (17) e, até esta terça (18), os suspeitos não haviam sido encontrados.

Conforme informações da polícia, a dupla, que estava uniformizada com a roupa do Centro de Controle de Zoonoses, bateu a campainha do imóvel do bairro Vila Estado Novo, onde mora a vítima, e pediu para entrar na residência para vistoriar o local.

A idosa liberou a entrada e, durante a suposta vistoria, os suspeitos perceberam que a vítima estava com uma bolsa volumosa presa a sua cintura.

Aos militares, a vítima contou que, ao entrar na casa, o homem deixou cair um líquido em suas vestes. O bandido se desculpou, disse que o produto era tóxico e que ela precisava trocar de roupa.

Assustada, a moradora retirou a bolsa da cintura, a colocou em uma mesa e deixou os suspeitos sozinhos. Neste momento, os criminosos aproveitaram para retirar todo o dinheiro que estava na bolsa da vítima e, em seguida, deixaram o local as presas.

Ao perceber a situação, a vítima acionou a Polícia Militar e fez um boletim de ocorrência, mas o casal ainda não foi encontrado.

Prefeitura

A chefe do departamento de Zoonoses e Endemias da Prefeitura de Uberaba, Lara Batista, nega que os suspeitos estavam utilizando o uniforme.

“Um funcionário do setor entrou em contato com a vítima, que revelou que os suspeitos não estavam uniformizados. Contudo, pedimos para que, sempre que o morador ficar com dúvidas, basta ligar para o ‘disque Dengue’ e confirmar se a pessoa realmente é um agente da zoonoses”, explicou Lara.

A prefeitura ressalta que esse servidor utiliza a bolsa laranja, com a logo da prefeitura, uma blusa de manga longa na cor verde água, e o crachá de identificação.

“Mesmo estando uniformizado, se o morador ficar com medo, basta ligar na prefeitura e verificar a identidade da pessoa. Pra isso, basta passar o nome que foi informado e o endereço da residência, com esses dados conseguimos fazer a verificação”, lembra.

Para confirmar a informação, basta ligar no número (034) 33174660.

otempo

Share on Facebook0Tweet about this on Twitter0Share on Google+0Share on LinkedIn0Print this page